Prefeitos não permitem a abertura de igrejas e templos religiosos na pandemia

Consideradas essenciais por decreto do presidente Jair Bolsonaro, igrejas e templos religiosos também tiveram que se adaptar à realidade imposta pela pandemia. Mesmo seguindo todos os protocolos para garantir a segurança aos fiéis, quase 400 prefeituras não respeitaram o decreto final que considerou as atividades religiosas um serviço essencial. A decisão, segundo cientistas políticos, pode custar caro nas próximas eleições municipais. Confira na reportagem de Fábio Menegatti!