Entrevistas Mari Belém se emociona com reality musical mais humanizado

Mari Belém se emociona com reality musical mais humanizado

Jurada do Canta Comigo 3 abre o coração sobre os critérios que a fazem levantar e cantar junto com um candidato

  • Entrevistas | Juliana Lambert, do site oficial

Mari Belém se emociona ao ver famílias no palco da competição musical

Mari Belém se emociona ao ver famílias no palco da competição musical

Arquivo pessoal

Jurada experiente no reality Canta Comigo, a influenciadora digital Mari Belém já participou até da versão colombiana da atração, mas não acredita que a dificuldade seja menor na hora de avaliar os talentos que passam pelo palco: “Você está lidando com os sonhos e cada candidato nos emociona por um motivo. Essa terceira temporada é a que mais surpreendeu e as histórias nos comovem”, conta.

Mari acredita que as dificuldades enfrentadas pelos músicos na pandemia ajudaram a humanizar a temporada: “A música é um setor que foi o primeiro a parar e vai ser o último a voltar. Tem gente que quase chegou ser despejada, que começou a cantar no hospital, que perdeu pessoas para a covid”, comenta.

Emoção em família

Mari, que é filha da cantora Fafá de Belém e costuma soltar a voz ao lado da mãe e das filhas em lives, não esconde a emoção ao ver duplas e trios formados por famílias no Canta Comigo 3.

“Ver mãe e filho cantando me emociona pelos dois lados. Por tantas vezes que cantei com a minha mãe, pelo tanto que admiro vê-la cantando e por saber que é um privilégio ter crescido ao lado dela, assistindo uma artista tão incrível se reinventar e lutar tanto ao longo da vida. Por outro lado, me emociona porque já cantei com as minhas filhas e também cantamos muito em casa, brincando. Não sei se é um sonho para as duas e, sinceramente, não sei se é o que desejo para elas, até pela pressão de serem netas de uma grande cantora. Mas sempre vou apoiar o que quiserem para a vida delas”, revela.

A influenciadora que já seguiu a carreira musical observa que os candidatos a fazem lembrar não só o início na profissão, mas todas as lutas ao longo da carreira. “Eu comecei a cantar aos 20 anos e parei quando tive a minha primeira filha em 2011, fiquei uns 13 anos cantando profissionalmente e larguei mão da carreira para escrever o blog de maternidade, depois surgiram outros trabalhos e comecei com a minha agência que capta recursos para eventos”.

Conselhos sobre música

Ela tem uma dica importante para quem sonha em viver de música: “Sei como doeu cada pancada e o quanto cada vitória significou. Se é o que realmente você quer para sua vida, o teu sonho, não veja um 'não' como uma barreira, mas como aprendizado. Veja como um obstáculo que vai pular e seguir. Pegue as críticas construtivas e aplique no seu aprendizado. Quanto mais você se dedica em aprimorar sua carreira, só tende a dar certo. O Canta Comigo, na verdade, é um momento da vida, não é definitivo. Não é o começo e nem o final, é a jornada. Então, o meu conselho é usar o 'não' da melhor forma e aprender tanto com o 'não' quanto com o 'sim'”, diz.

Sei como doeu cada pancada e o quanto cada vitória significou. Se é o que realmente você quer para sua vida, o teu sonho, não veja um 'não' como uma barreira, mas como aprendizado

Mari Belém

A jurada diz que cada apresentação a faz levantar e cantar por motivos diferentes. “Tem gente que me emociona pela entrega na música, tem candidato que é impecável na técnica, há quem me emocione pela interpretação e também pelo carisma. Eu acho que o artista é muito mais do que uma técnica perfeita. A técnica é uma das partes, mas existem outras coisas tão importantes quanto, que me emocionam e me fazem aplaudir”, explica.

Jurados unidos

Mari ainda destaca o clima de união no painel de 100 especialistas: “A gente se diverte muito! Assim como uma família, existem os dias de farra e diversão, e também os barracos, brigamos como irmãos. O meu malvado favorito é o Robson, que é uma das pessoas que mais gosto nesse mundo. Por mais que ele seja visto como o 'chato do programa', ele é um cara que tem uma coerência. Eu já sei quando e porquê ele não vai levantar. É um cara que preza por certas coisas e não abre mão disso. Então, dificilmente vai se emocionar pela história de vida [de um candidato], mas vai prezar pela dedicação pela música. Acima de tudo, existe um respeito muito grande em ouvir o outro. É uma grande família e um presente na minha vida, tanto produção, direção e elenco. Eu só tenho a agradecer pelo Canta”.

Com o fim dos episódios classificatórios, o programa entra em uma fase decisiva a partir deste domingo (21) e o telespectador já pode se preparar para um grande espetáculo: “O público pode esperar muita emoção e estou muito feliz por fazer parte de tudo isso mais uma vez”, finaliza Mari Belém.

O Canta Comigo 3 vai ao ar todo domingo, a partir das 18 horas, na tela da Record TV.

Últimas