Aos 68, velejador brasileiro vai para seu décimo Jogos Pan-Americanos

Cláudio Biekarck busca ampliar seu recorde no torneio continental: já são nove medalhas desde que começou a competir, em 1975

Brasileiro de 68 anos vai para seu 10° Pan-Americano consecutivo

Biekarck tem nove medalhas pan-americanas

Biekarck tem nove medalhas pan-americanas

Gaspar Nobrega/Inovafoto/Divulgação

Cláudio Biekarck estará de novo nos Jogos Pan-Americanos, desta vez, em Lima, no Peru. Esta será a décima participação do velejador na categoria Lightining, em que poderá ampliar seu legado. Já são mais de 40 anos dedicados ao esporte nas maiores competições.

O atleta de 68 anos pode bater uma série de recordes em Lima 2019. Além de aumentar sua marca como o atleta com o maior número de participações nos Jogos Pan Americanos entre todas as modalidades e países, ele também pode ampliar o histórico de medalhista brasileiro mais velho na competição.

Biekarck também é o maior medalhista brasileiro na modalidade de vela no Pan. O velejador nasceu em 1951, mesmo ano que os Jogos Pan-Americanos tiveram sua primeira edição. 

No Peru, Biekarck tem como desafio repetir o desempenho que o credenciou como uma das lendas do esporte olimpíco brasileiro. Desde que velejou pela primeira vez na Cidade do México 1975, o brasileiro alcançou o pódio em todas as edições posteriores desde Caracas 1983, que competiu na categoria atual (Lightning).

Aos 64 anos, o velejador soma o ouro em Caracas 1983; prata na Cidade do México 1975, Mar del Plata 1995, e em Winnipeg 1999; e os bronzes em Indianápolis 1987, Havana 1991, no Rio 2007, em Guadalajara 2011 e Toronto 2015.

Em sua carreira, Biekarck também participou de três Olimpíadas (Munique 1972, Montreal 1976 e Moscou 1980), alcançando o quarto lugar nas duas últimas participações. Como técnico de Roberto Scheidt  de 1996 até 2004, contribuiu para um período de ouro da vela brasileira, quando Scheidt conquistou dois ouros e uma prata em Olimpíadas. 

Equipe experiente com Gunnar Ficker

Cláudio Biekarck forma com Gunnar Ficker uma das duplas mais longevas nos esportes. Em oito edições do Pan os dois competiram juntos na categoria Lightining da vela. Ficker, por sua vez, tem uma medalha a menos que seu parceiro.

Veja também: Conheça a esgrimista brasileira de 15 anos que vai estar no Pan

A novidade nesta edição do Pan é Isabel Ficker, que formará a equipe de vela brasileira de Lightining junto com seu pai, Gunnar, e Biecarck. No barco da categoria, formado por três pessoas, o timoneiro será Cláudio, o regulador de Balão, Gunnar, e Isabel Ficker será a proeira do barco que tem quase seis metros de altura, pesando 320 kg.

Disputa da vela no Pan 2019

A disputa da vela se dá por diversas categorias definidas pelo tamanho do barco e o seu número de ocupantes. A categoria lightning do esporte não é disputada nas Olimpíadas atualmente, e também já ficou de fora de algumas edições do Pan.

 Além da Lighting, no Pan 2019 serão disputadas as seguintes categorias: RS:X, Laser, 49erFX, Sunfish, Kites, Snipe e Nacra 17.

Confira o time brasileiro completo escalado para a vela no Pan 2019: 

Masculino

Brenno Francioli (RS:X)

Bruno Fontes (Laser)

Bruno Lobo (Fórmula Kite)

Claudio Bieckark (Lightning)

Gunnar Ficker (Lightning)

Gabriel Borges (49er)

Marco Grael (49er)

Matheus Dellagnelo (Sunfish)

Rafael Martins (Snipe)

Samuel Albrecht (Nacra 17)

Feminino

Gabriela Nicolino (Nacra 17)

Gabriella Kidd (Laser Radial)

Juliana Duque (Snipe)

Isabel Ficker (Lightning)

Kahena Kunze (49er FX)

Martine Grael (49er FX)

Patrícia Freitas (RS:X)

*estagiário do R7, sob supervisão de André Avelar

Conheça o Cuchimilco, presente para os medalhistas do Pan de Lima