Pan Lima 2019 Estrela do surfe se emociona com primeiro Pan: 'não caiu a ficha'

Estrela do surfe se emociona com primeiro Pan: 'não caiu a ficha'

Atualmente líder do ranking mundial, Chloé Calmon está em grande fase na carreira e é uma das principais favoritas ao ouro em Lima 2019 

Estrela do longboard fala sobre expectativas para o Pan 2019

Chloé Calmon em ação no longboard

Chloé Calmon em ação no longboard

Reprodução/Instagram @chloecalmon

A poucos dias para os Jogos Pan-Americanos Lima 2019, Chloé Calmon passa pelos últimos treinos antes de embarcar para o Peru para representar o Brasil na estreia do surfe no evento.

Desde 2011 entre a elite do longboard, duas vezes vice-campeã mundial e atual líder do ranking da WSL (Liga Mundial do Surfe, em português), Chloé vai a Lima 2019 como uma das maiores estrelas da competição

Em entrevista ao R7, a carioca de 24 anos falou sobre como 2019 tem sido um ano atípico e cheio de competições, as expectativas para o Pan-Americano, e ainda fez uma retrospectiva da carreira, que acompanhou o longboard desde quando a modalidade tinha pouquíssimos campeonatos por ano, até a possibilidade da entrada da categoria do surfe nas próximas edições dos Jogos Olímpicos.

Confira os principais trechos da entrevista a seguir! 

R7: Esta é a estreia do surfe nos Jogos Pan-Americanos, o que você espera da competição?

Chloé Calmon: Estou encarando como mais uma competição. Mas o que está sendo mais especial é que estou competindo pela primeira vez por um título olímpico, na minha estreia nos Jogos Pan-Americanos, que depois das Olimpíadas é o maior evento esportivo do ano. Ainda não caiu a ficha do quão grande vai ser. 

Só de pensar que vou estar do lado de grandes atletas que servem de inspiração, de vários outros esportes, e de poder representar o Brasil e o longboard em uma edição inédita, vai ser super especial.

R7: Como vê o time brasileiro de surfe para o Pan? 

CC: O time do Brasil está indo bem forte, com representantes em todas as categorias. 

Ano passado, na classificatória, foi a primeira vez que consegui sentir a união do time. O surfe é um esporte muito individual, e por mais que tenha um time inteiro, quando você está na água, você está sozinho. Mas nesse evento classificatório, tivemos atletas de todas as modalidades reunidos, todo mundo torcendo. Você olhava da água e conseguia ver a bandeira balançando. Este sentimento de união só dá mais força. 

R7: Você foi campeã Pan-Americana no mesmo local que vai competir agora em agosto. Você se sente confortável com as ondas do local?

CC: Punta Rocas é um lugar muito constante. Funciona bastante com todos os tipos de ondulação, o vento não tem muita influência na mudança de maré. Então é um  ótimo lugar para ser palco da competição, que você pode ir com quase certeza de que vai ter onda. 

Meu principal objetivo é ir para lá e dar meu melhor, o resultado vai ser consequência disso. Estou me sentindo muito confiante e muito feliz de estar na seleção do Brasil

Chloé com seus troféus

Chloé com seus troféus

Divulgação

R7: O que o título no Pan 2019 representaria para sua carreira? 

CC: Acho que todo resultado é válido. Lógico que meu objetivo é receber uma medalha, mas só o fato de estar representando o Brasil uma competição tão grande, no que seria meu primeiro título olímpico, em uma competição histórica para o esporte e para o surfe, já é considerável.

Embora o longboard não esteja confirmado nos Jogos Olimpícos de 2020, atualmente os Jogos Pan-Americanos é o mais próximo que consigo chegar de uma Olimpíada. Tenho certeza que vai ser um dos eventos mais importantes da minha carreira, mas estou tentando não pensar muito nisso e encarar como mais uma competição, igual as que tenho feito neste ano.

R7: Os campeões da categoria free surfe no Pan 2019 ganham vagas diretas para as Olimpíadas 2020, como vê esta possibilidade para o longboard e para você nos próximos anos?

CC: Seria um sonho de vida realizado. A gente teve uma competição há um mês em Biarritz, na França, e os Jogos de 2024 vão acontecer em Paris. E eles tinham recentemente anunciado o interesse deles de incluir o surfe nos Jogos de 2024, e fazer de Biarritz o palco das competições para 2024.

O COI (Comitê Olímpico Internacional) já demonstrou interesse em receber o surfe, e com isso, receber todas as modalidades. Se falassem há dois anos que o surfe estaria nas Olimpíadas, talvez poucos acreditariam, mas agora que realmente está confirmado que vai acontecer em 2020, meu sonho maior seria ter o longboard nas Olimpíadas e a chance de representar o meu país

R7: Em algum momento da sua trajetória no Longboard pensou que estaria representando o Brasil nos Jogos Pan-Americanos?

CC: Isso só me dá mais vontade, mais motivação, de seguir em frente dando o meu melhor. Há alguns anos, o sonho de estar em uma Olimpíada eu vivia ao assistir meus ídolos competindo, durante os Jogos do Rio 2016. Eu estava lesionada e não podia treinar, mas estava assistindo praticamente todos os esportes. Mesmo de muletas e todo o resto, ao estar vendo aquilo eu já sentia como se também estivesse competindo.

Se alguém falasse para Chloé de 12 anos que, 12 anos depois ela estaria indo representar o Brasil como a única atleta do país no longboard nos Jogos Pan-Americanos, dificilmente ela acreditaria, então fico muito feliz de estar fazendo parte do desenvolvimento do esporte. 

São conquistas pessoais que vou levar para o resto da vida, saber que eu de alguma maneira posso ajudar, e estar vivenciando o crescimento do esporte é algo incrível. Pode servir para a nova geração que é o futuro do esporte, responsável por levar o esporte ainda mais a frente.

Veja também: Chloé Calmon: a surfista carioca que promete fazer história no longboard

Por outro lado, o longboard nunca viveu uma época tão boa, nunca foi tão importante estar envolvido com o esporte. Ano passado, por exemplo, eu participei de cinco competições, e esse ano o número aumentou para 16. Tem sido um ano incrível para o desenvolvimento do longboard, e espero que isso se encaminhe até uma garantia de estar nos próximos Jogos Olimpícos.

A Record TV é a emissora oficial dos Jogos Pan-Americanos Lima 2019. Você pode acompanhar os eventos ao vivo no R7.com e conferir todas as transmissões e as íntegras no Playplus.com.

*Estagiário do R7, sob supervisão de André Avelar