Histórias do Pan que ficarão para sempre

Em meu último texto, destaco alguns momentos que me marcaram durante os Jogos Pan-americanos de Lima 2019

Valéria Kumizaki sagrou-se bi-campeã pan-americana no caratê.

Valéria Kumizaki sagrou-se bi-campeã pan-americana no caratê.

Sergio Dutti/Exemplus/COB

A vitória histórica e cheia de raça da seleção brasileira masculina de rugby sobre os Estados Unidos por 12 a 10 na primeira fase, que deu a classificação inédita do time para as semifinais do Pan.

O chutão de desabafo que o treinador José Roberto Guimarães deu na bola, na beira da quadra, após um erro da arbitragem na derrota do Brasil para a Argentina na disputa da medalha de bronze do vôlei feminino.

O contagiante canto de parabéns que as jogadoras da seleção feminina de vôlei da Colômbia fizeram em plena quadra para o treinador brasileiro Antonio Rizola, que completou 61 anos no mesmo dia em que o time se classificou pela primeira vez na história para as semifinais do Pan.

A medalha de ouro com um triunfo espetacular de Milena Titonelli na final da categoria feminina até 67kg no taekwondo sobre a fortíssima americana Paige McPherson, medalhista em Jogos Olímpicos e Campeonatos Mundiais.

O potente home run de Kevin Luciano na vitória de Porto Rico na sua partida de estreia do beisebol por 7 a 2 sobre a Nicarágua.

Os arremessos desajeitados e emocionados que a brasileira Valéria Kumizaki fez de peças de seu próprio equipamento de proteção corporal rumo à torcida, após ela se sagrar bicampeã pan-americana no caratê.

E os tantos campeões e medalhistas que subiram no pódio com seus sorrisos largos, ou então os derrotados que expressaram em lágrimas a frustração por não terem alcançado seus objetivos.

Costumo dizer que, quando se está em uma cobertura de um grande evento esportivo como foi o Pan de Lima, é possível notar até os mínimos detalhes daquela modalidade que você está trabalhando, mas pouco vê os outros esportes. Eu, por exemplo, acompanhei todo o torneio de rugby sevens e do vôlei em Lima, além de algumas provas do beisebol, caratê, luta olímpica e taekwondo. Todo o restante, apenas alguns flashes (infelizmente, é claro).

O Pan de Lima acabou, mas deixará inúmeras lembranças nas mentes de quem vivenciou este espetacular evento esportivo, seja lá na capital peruana, ou até mesmo a milhares de quilômetros de distância. Estas foram as histórias que mais me marcaram nestas últimas duas semanas. E quais foram as suas?