Pan Lima 2019 No beisebol, sonho e decepção se encontram em Lima

No beisebol, sonho e decepção se encontram em Lima

Título inédito de Porto Rico e Cuba fora do pódio pela primeira vez na história 

Porto Rico venceu o Canadá por 6 a 1 na final do beisebol e ficou com o ouro

Porto Rico venceu o Canadá por 6 a 1 na final do beisebol e ficou com o ouro

Reprodução/Playplus

O torneio de beisebol dos Jogos Pan-americanos Lima 2019 chegou ao fim com um desfecho renovador e avassalador. Renovador pela conquista do título do esquadrão de Porto Rico. Na final, bateu o Canadá por 6 a 1. Colocou ao fim o reinado canadense que durou duas edições consecutivas da competição (Guadalajara 2011 e Toronto 2015). Foi uma conquista inédita para os porto-riquenhos, amantes da modalidade e país de origem de inúmeros astros da MLB, a poderosa liga norte-americana, e de várias outras ligas tradicionais do mundo.

Até então, o melhor desempenho de Porto Rico havia sido as medalhas de prata em Havana 1991 e Chicago 1959 (também foram bronze em Winnipeg 1967, Indianápolis 1987 e Mar del Plata 1995). Festa porto-riquenha, mas a tristeza maior na capital peruana nem foi a dos canadenses.

Doze vezes campeã do torneio (dez delas consecutivas, entre Cali 1971 e Rio de Janeiro 2007), a tradicionalíssima Cuba teve uma participação frustrante. Pela primeira vez na história, os cubanos não chegaram à fase de disputas por medalhas. Com a modalidade integrando o programa dos Jogos Pan-americanos desde a primeira edição (Buenos Aires 1951), a presença de Cuba no pódio do beisebol foi uma tradição que se manteve todos os anos - além dos ouros, conquistaram uma prata e dois bronzes.

Desta vez, ficou em sexto. Perdeu a disputa pela quinta posição com a República Dominicana. Um resultado amargo, mas que começou a se desenhar antes mesmo do desembarque da equipe em Lima.

Na reta final da preparação, sofreu três deserções durante um giro por Estados Unidos e Canadá, entre o fim de junho e início de julho, para jogos contra times universitários. O primeiro a desertar foi Yoelkis Céspedes, irmão de Yoenis Céspedes, do New York Mets (MLB). Norge Carlos Vera e Orlando Acebey, filhos, respectivamente de Norge Luis Vera e Orlando Rafael Acebey, ídolos do beisebol local, saíram logo depois.  Foi um baque do qual a equipe não se recuperou.

Em Lima, Cuba foi superada pela Colômbia (6 a 1), pelo Canadá (8 a 6) e venceu apenas a Argentina (10 a 0). Na briga pelo quinto lugar, caiu para os dominicanos em sofridos 10 a 9. Como já disse, foi um desfecho melancólico, mas menos melancólico do que o fato de que as perspectivas dessa espiral descendente da competitividade cubana no continente chegar ao fim são praticamente inexistentes.

A opinião não é apenas minha, está baseada na repercussão do resultado obtido no Peru na própria mídia focada na população cubana. O site ADN Cuba, por exemplo, destaca a filosofia ultrapassada dos treinadores, a ausência de intercâmbio técnico, além da utilização limitada de tecnologias e outros recursos que poderiam contribuir para o desenvolvimento da multidão de talentos que existentes na ilha.

É esperar para ver o que acontecerá.

Em tempo: A Nicarágua venceu a Colômbia por 6 a 0 e ficou com o bronze.