Trabalhadores das minas e pedreiras em protesto

Há um ano que podem pedir reforma antecipada, mas ao contrário das promessas do governo, continuam com um corte de 15% no vencimento.