As marcas deixadas pelo incêndio

Pela região do pinhal interior vivem-se dias de luto, mas também de revolta. As populações sentem-se abandonadas e temem que a tragédia de 17 de junho de 2017 se volte a repetir.