Repórter Record Investigação Repórter Record Investigação mostra como traumas afetam a saúde 

Repórter Record Investigação mostra como traumas afetam a saúde 

Programa desta quinta (14) acompanha o drama de quem convive com abalos difíceis de superar

Equipe da Record TV mostra os impactos dos traumas na saúde física e mental

Equipe da Record TV mostra os impactos dos traumas na saúde física e mental

Reprodução/Record TV

O Repórter Record Investigação acompanha o drama de quem convive com traumas difíceis de superar nesta quinta-feira (14), a partir das 22h45. 

Pesadelos, taquicardia, medo, tonturas, isolamento social. Esses são alguns dos sintomas do Transtorno do Estresse Pós-Traumático. De acordo com pesquisadores, 11% da população dos grandes centros podem apresentar sinais do distúrbio, que se manifestam geralmente após a pessoa ter sido vítima de violência ou situação traumática. A reportagem é de Rogério Guimarães, Tarcísio Badaró e Mariana Ferrari. A finalização é de Rovane Alves.

Sandra sempre viveu em uma comunidade carente do Rio de Janeiro onde confrontos entre traficantes e polícia são frequentes. Mas, hoje, ela não pode escutar barulho de helicóptero nem de tiro. Quando isso acontece, Sandra tem reações incontroláveis. A morte do filho Matheus deixou um trauma que se arrasta entre remédios há mais de um ano. "Tenho pressão alta, desenvolvi diabetes, sinto uma dor que nunca vai passar", lamenta Sandra. Até hoje não se sabe de onde partiu o tiro que matou Matheus.

A família de dona Agda ainda está em estado de choque com a tragédia que soterrou vidas na Grande São Paulo. Ela perdeu filho, neto e sobrinho. Ao repórter Marcus Reis, dona Agda e o marido, Manoel, falam das dores e dos transtornos que podem carregar por muito tempo. No dia 30 de janeiro, em Franco da Rocha, choveu mais da metade do esperado para o mês na cidade. "Parecia o fim do mundo, a montanha desceu abaixo levando casas e carros. Foi terrível. Fiquei soterrada em cima do meu neto. Faz semanas que estou sem dormir só pensando no que aconteceu", desabafa dona Agda.

Dirigir pode parecer uma ação simples para maioria das pessoas. Não para Renata. Há três anos, ela está em tratamento para ter autonomia ao volante. Renata sofreu um trauma com a morte da cunhada, que se envolveu em um acidente de trânsito. "No começo, ao tentar dirigir, eu sentia a boca seca, ficava tensa, paralisada, só vinha à minha cabeça pensamentos ruins", relembra.

Nossos repórteres também entrevistaram os melhores pesquisadores no assunto. Você vai saber como o trauma pode comprometer a saúde física e mental dos portadores.

Você não pode perder Traumas - a reportagem exclusiva desta quinta-feira (14) do Repórter Record Investigação. É a partir das 22h45, logo após Jesus - A Série.

Últimas