Vencedora do Top Chef revela que guardou prêmio para realizar sonho

Um ano após vencer a primeira temporada do reality comandado por Felipe Bronze, Giovanna Perrone acredita que programa é oportunidade única

Giovanna conta seus planos

Giovanna conta seus planos

Antonio Chahestian/Record TV

Pouco mais de um ano após ser anunciada como a grande campeã da primeira temporada do reality Top Chef Brasil, a chef Giovanna Perrone confessa que não caiu em tentação e o prêmio está guardado para realizar seu grande sonho.

“Eu não venho de uma família rica, mas sempre tive uma vida confortável. O prêmio foi a primeira chance de mudar algo no meu destino. Há um ano, não estava preparada para a mudança. Então, eu investi o prêmio e está rendendo para realizar o sonho de ter o meu restaurante. Para não falar que não comprei nada, eu troquei de celular e ajudei alguns familiares com coisas pequenas”, conta Giovanna.

A chef confessa que a pandemia adiou seus planos, já que estava para assumir a cozinha de um restaurante e trabalhar com alta gastronomia. “Resolvi então voltar os olhos para a lanchonete que tenho com meu namorado no bairro do Tatuapé (SP), pois a nossa missão é não deixar o negócio fechar e não ter que demitir nenhum dos funcionários”, revela.

Entre os desafios, ela relembra o confinamento: “Foi absurdamente difícil. Estava em um momento de muitas mudanças na minha vida pessoal e ficar longe de tudo e de todos foi bem complicado. A pior parte foi lidar com a minha ansiedade, mas as pessoas que estavam comigo tornaram tudo mais fácil, porque me dei bem com todo mundo”, conta.

Para Giovanna, há uma grande diferença entre cozinhar no restaurante e em um reality: “A pressão de um restaurante lotado, com comandas acumulando e cozinha caótica é algo que eu gosto. Agora, a pressão de tempo, câmera e um monte de gente te perguntando coisas no meio da prova, é diferente. No começo, me destruí e achei que estava sendo a pior cozinheira de todas”, relembra.

Ela também conta bastidores: “A final é o momento mais difícil, pois você sabe que não terá como recuperar. Como quase todas as provas, começamos com uma coisa na cabeça e vamos mudando conforme o tempo vai passando. Mas teve uma prova de sobremesa que me desestabilizei completamente. Assistindo o episódio não me reconhecia. O terror que eu faço na minha cabeça é maior do que qualquer outra pressão do Top Chef. Eu acho que isso foi algo que o programa me ensinou, a não ser tão cruel comigo mesma”, conta.

No último ano, Giovanna chegou a fazer alguns eventos com o chef Felipe Bronze e também teve a chance de trabalhar no restaurante do chef no Rio de Janeiro, o badalado Oro. “Ele é muito autêntico, gosta de conhecer novos cozinheiros e compartilhar experiências e conhecimento”, revela.

Conselho para os chefs da segunda temporada

“Se decidiu embarcar nessa aventura, aproveite para mostrar quem você é, ousar e testar aquilo que às vezes não é possível no restaurante. Tem muitas provas que a cozinha é livre e na despensa do Top Chef tem tudo, muitos ingredientes que você nunca trabalhou. É o momento de se arriscar! Eu me arrisquei muitas vezes, mas eu fui muito cruel comigo mesma, eu poderia ter m me divertido mais. É uma oportunidade única, o que for difícil vai passar, é algo que tem data para começar e terminar”, diz Giovanna.

A segunda temporada do Top Chef Brasil estreia no próximo dia 15 de julho, a partir das 22h30, na tela da Record TV