Câmera Record Câmera Record revela histórias de brasileiros que vivem próximos da Rodovia Transamazônica

Câmera Record revela histórias de brasileiros que vivem próximos da Rodovia Transamazônica

Histórias de pessoas que conhecem de perto os desafios de viverem próximos da maior rodovia do país são destaque no programa deste domingo (10)

Aventura e perigo marcam a rotina de vivência no local

Aventura e perigo marcam a rotina de vivência no local

Divulgação/Record TV

No Câmera Record deste domingo (10), histórias de brasileiros que vivem nas proximidades da Rodovia Transamazônica, a maior rodovia do país, marcam o programa. No meio da floresta, uma pista de pouso dez vezes menor que a de um aeroporto comum. O local improvisado é uma das portas de entrada para garimpos que atraem multidões em busca de riqueza fácil. No banco do passageiro de uma aeronave monomotor, um dos maiores astros da música brasileira: Raul Seixas. Nada que intimidasse o piloto, Clinger Borges. "Ele disse que eu era mais louco que ele, né?", lembra. Um caso que pode até parecer fantasioso. Mas Clinger faz questão de mostrar as provas para o programa.

A aventura do piloto da selva é apenas uma das grandes histórias encontradas na rota que a nossa equipe percorreu. Atravessamos mais de 2 mil quilômetros da Rodovia Transamazônica, a obra ousada e polêmica que acaba de completar 50 anos.

Para dona Ercília, a grande memória das últimas décadas vem dos anos 1980: a construção da usina hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. A obra inundou as comunidades vizinhas. Dona Ercília teve que sair de casa, assim como quase seis mil famílias. "Anotaram o meu nome e disseram: 'Olha, é para vocês saírem daqui, porque vão morrer tudinho afogados. E não vai demorar muitos dias. Tem que sair'", conta.

Para o fazendeiro Silvério Fernandes, de Anapu, no Pará, a lembrança difícil de esquecer é um pedido de socorro. Certa noite, acordou com os gritos do irmão, que havia acabado de ser baleado. Luciano não resistiu. Os matadores deram dois tiros à queima-roupa. As investigações apontam que os assassinos seriam madeireiros clandestinos. "Sete, oito pessoas, que estavam totalmente envolvidas com o crime em Anapu", afirma Silvério.

Hoje, apenas dois dos suspeitos estão vivos. O fazendeiro nega qualquer envolvimento com as mortes. "Eu quero que essas pessoas sofram na cadeia o quanto não valeu a pena matar meu irmão", diz.

No podcast, o repórter André Tal fala sobre os bastidores da viagem de 30 dias pela rodovia. E um outro conteúdo especial: um minidocumentário sobre a composição da trilha sonora deste Projeto Transamazônica.

O Câmera Record vai ao ar neste domingo (10), logo após o Domingo Espetacular, na Record TV!

Últimas