Entrevistas Rodrigo Kossatz sobre Top Chef: "O grande adversário é você"

Rodrigo Kossatz sobre Top Chef: "O grande adversário é você"

Sexto participante a deixar o reality gastronômico fala sobre a competição e revela seus planos para o futuro

  • Entrevistas | Juliana Lambert, do site oficial

Rodrigo Kossatz fala sobre a vida após o reality

Rodrigo Kossatz fala sobre a vida após o reality

Edu Moraes/Record TV

O personal chef Rodrigo Kossatz deu início a uma nova fase da carreira após deixar a disputa no Top Chef Brasil 3. “Eu me mudei [de Niterói, Rio de Janeiro] e estou amando morar em São Paulo.  É outro mundo, outro critério de valorização do seu trabalho, oportunidades, evolução e nível de cozinha. Continuo fazendo personal chef na casa das pessoas e tenho o projeto de abrir um restaurante. Estou apostando muitas fichas nessa etapa totalmente diferente da minha vida”, conta.

No retorno definitivo à capital paulista, Rodrigo traz na bagagem lembranças do reality, umas doces e outras nem tanto. “Tem alguns pontos que fazem do Top Chef um programa diferenciado. O confinamento vai trazendo algumas aflições do dia a dia que não são peculiares e saímos da nossa zona de conforto. É algo que aflora mais os nervos e deixa a gente um pouco mais inseguro. Você começa a se questionar e fica sem base de apoio. Essa foi uma das minhas maiores dificuldades, apesar de não ter tido conflito dentro da casa”, relembra.

Ele define a disputa do Top Chef: “O grande adversário é você mesmo, ou seja, é conseguir manter a serenidade, não se questionar e nem deixar os medos aparecerem. Sou muito transparente e não vou ficar botando banca. Eu duvido que não tenha uma pessoa que em algum momento não tenha se perguntado o que estava fazendo ali”, comenta.

A surpresa, considerada o ponto alto do programa, não deixa apenas o público de boca aberta: “No segundo episódio, falei que nem tentaria imaginar a próxima prova, porque é absolutamente impossível. A criatividade do pessoal para as dinâmicas é bizarra. São pessoas que sabem o que estão fazendo. É sensacional para o público, mas para a gente que está lá dentro é uma paulada atrás da outra”, brinca.

Rodrigo reforça que a pressão do reality não tem nada a ver com o que os cozinheiros passam em um restaurante: “Não tem nem comparação, é completamente diferente. Na sua cozinha, você está na sua zona de conforto, com seus equipamentos, suas receitas e seu mise en place organizado. Sem falar que dentro da sua cozinha, são as suas regras. Se o meu prato não está pronto porque precisa de mais 5 minutos para chegar com qualidade ao cliente, ele vai ficar mais tempo. Lá no programa não tem isso, acabou o tempo, acabou mesmo”, explica.

A crítica de que teria feito um prato infantil no Desafio de Eliminação não o agradou. “Não gostei da forma e não fui o pior da noite. Acho que ele [Emmanuel] foi infeliz na colocação, mas faz parte do jogo e tem que ter uma dureza”, comenta.

Além da experiência e da nova vida em São Paulo, Rodrigo também levou do reality novos amigos. Ele já até cozinhou pelo Brasil com Djalma, Emanuele e Julio. “Sempre falo com o Felipe que está em Portugal e, em breve, estarei com Cadu, Nat e Giovanni”, finaliza.

O Top Chef Brasil 3 vai ao ar toda sexta-feira, logo após A Fazenda 13.

Últimas